#SouMulherSouGamer

Cap Holandes

Jogador
2,222
1,824
MT
Fala Galera de boas? machismo nos games volta a tona com a hashtag #SouMulherSouGamer https://twitter.com/hashtag/SouMulherSouGamer , Pois bem não venho, explicar o porque da Hashtag e o motivo, e sim dar enfase aos comentários, vi muitos relatos de jogadoras que tem um arquivo de prints recebendo os mais diversos tipos de ofensas, sempre soube da existência dessa toxidade, acredito que a própria sexualização da mulher por parte dos próprios jogos e o acesso fácil a pornografia, acabam gerando este tipo de comportamento desrespeitoso, em sua maioria por parte de adolescentes imaturos, mas é impressionante quando vejo homens barbados perdendo a cabeça por causa de garotas, muitas vezes até crianças, que jogam melhor do que eles.

Sinceramente nunca tive esse comportamento, sempre tive a educação de casa utilizada na 'rua" como vitrine do meu comportamento online! MAS eis que fui abençoado com uma FILHA :heart: hoje com quase 5 meses de idade, a coisa mais preciosas desse meu mundo! não adianta tentar explicar como um filho muda a nossa vida, é como tentar passar a sensação de como é pular de para-quedas com palavras, pode tentar explicar e dizer ao máximo como é a sensação, mas só quem pula sabe como é de verdade.

Pois bem, Paizão gamer, "muito competitivo" esperando futuramente dividir o controle com minha pequena! se ela vai ou não gostar de jogar só o tempo dirá, mas se a balança pender positivamente ao universo gamer, como irei proteger minha linda? acredito que a proteção vai muito alem de algo físico, as informações preenchem a mente e mechem com a curiosidade de uma criança, que tipo de perguntas uma criança faz para um pai ao receber mensagens pesadas de outros jogadores online? muita vezes conteúdo este que a criança nunca foi exposta no ambiente familiar! mas veio através de terceiros, sim obviamente conteúdo ruim vem de muitos locais, e os games acho que são uma porção bem pequena dessa influencia.

Mas como estamos aproveitando o momento, paro para fazer esta reflexão aqui no fórum. Quais medidas os senhores pais usam para proteger sua "prole" :laughing: e aos não pais o que fariam em um futuro com filhos e filhas em suas vidas? quais mecanismos o XBOX LIVE fornece para amenizar este tipo de comportamento, como anda o score do jogador referente ao comportamento? sinceramente já tinha até esquecido dessa questão, mas irei me aprofundar novamente pois são ferramentas que irei precisar daqui a alguns anos, pois é pareço estar me preocupando cedo de mais, mas acredito que este tópico possa influenciar não somente as minhas tomadas de decisões! mas também do Próprio XBOX BR. E jogadores do fórum.
 
Última edição:

Hisokah

Viciado
19
11
Brasil
Eu acho que você está totalmente correto em se preocupar com isso. Assim como outras questões de privacidade e defesa do consumidor já foram resolvidas com voto e atenção popular, não vejo como essa pode escapar disto. Para que as grandes empresas tenham olhos quanto a esse desrespeito massivo, temos que agir em conjunto.

Quanto a essa Hashtag, não vejo como ela pode ser tão eficiente. Algo como #RespeiteMulheresGamers pode ser mais efetivo, porque #SouMulherSouGamer, parece algo que só garotas gamers "podem"/irão usar.

Enfim, ainda há muito o que ser discutido quanto a isso, mas você já deu o primeiro passo aqui no fórum, e isto é muito importante!
 
  • Curtir
Reações: Cap Holandes

Saci

Heimdall dos Pampas
Moderador
9,985
12,797
Como você está falando de paternidade, eu diria que seu primeiro foco deve ser a proteção da criança, em segundo lugar, você pensa na menina. Ou seja, primeiro estude as ferramentas de controle parental que estarão ao seu alcance quando ela começar a ter contato com os jogos; isso vai desde os limites de acesso a conteúdo, mas também os limites de comunicação. Por exemplo, é possível bloquear as mensagens que vem de perfis que não são amigos da criança. Essa última medida acaba ajudando em alguns casos de abusos mais frequentes com as garotas também.
Eu não tenho filha, mas num primeiro momento, no contexto de 2019, eu escolheria para ela uma identificação "neutra", digamos assim. Pode ser útil em uma etapa mais jovem dela, antes de entender melhor como funciona o sistema machista. Mas isso está longe de ser uma solução, ela pode E DEVE, se assim quiser, se mostrar como uma personagem feminina em um jogo qualquer. Um dos primeiros em que isso deve ocorrer será o Roblox, sucesso com a criançada. As crianças adoram montar seus personagens, com as roupas e cabelos que conseguem desbloquear (normalmente, comprando ).

Uma abordagem que eu teria seria a de explicar, quando chegar a hora de experimentar as exposições online, que existem pessoas tristes no mundo, pessoas que tem um problema em sua cabeça que os fazem dizer coisas cruéis e injustas. O problema está no agressor, e não na vítima. Ela poderá se chocar com algo que ela venha a ouvir, mas nunca, jamais ela poderá achar que o lugar dela não é ali; pois se as pessoas de bem se retiram do ambiente, o ambiente fica cada vez pior. Desistir de uma partida, sim, mas desistir de um jogo por causa de um moleque mal educado, não. Ela deve aprender as ferramentas de bloqueio de comunicação, os famosos mute e block.

Se por um lado eu não creio que esse tipo de problema vá acabar, eu tenho convicção de que as coisas serão proporcionalmente melhores no futuro. A prova é o seu tipo de preocupação agora, que é cada vez mais frequente entre as pessoas. E vejo um movimento cada vez mais sólido das empresas em fincar o pé e tentar manter seus espaços comunitários mais abertos e amigáveis. E acho que esse movimento não tem volta, pois é do interesse da indústria aumentar cada vez mais a base de utilizadores, e pra isso é importante que o ambiente dos jogos online seja associado muito mais a um parque de diversões do que a uma boca de fumo.
 

Cap Holandes

Jogador
2,222
1,824
MT
Eu acho que você está totalmente correto em se preocupar com isso. Assim como outras questões de privacidade e defesa do consumidor já foram resolvidas com voto e atenção popular, não vejo como essa pode escapar disto. Para que as grandes empresas tenham olhos quanto a esse desrespeito massivo, temos que agir em conjunto.

Quanto a essa Hashtag, não vejo como ela pode ser tão eficiente. Algo como #RespeiteMulheresGamers pode ser mais efetivo, porque #SouMulherSouGamer, parece algo que só garotas gamers "podem"/irão usar.

Enfim, ainda há muito o que ser discutido quanto a isso, mas você já deu o primeiro passo aqui no fórum, e isto é muito importante!
A hashtag é "delas" kkk mas foi através dela que cheguei a essa percepção, como disse la em cima o foco não é circunstancia que gerou a tag mas o assunto abordado e relatos que me fizeram refletir e pensar no futuro da minha pequena.

Sou sincero em dizer que pra mim sempre foi mimimi! mas agora minha visão mudou drasticamente e tenho motivo para isso rsrs, acho que isso é em tudo na vida, cada um abraça a causa que afeta diretamente sua vida pessoal, o bom seria se tivéssemos a empatia e disposição de abraçar causas que não afetam diretamente a nossa vida.

Mas podemos começar no nosso meio, nesse caso em especifico os games e principalmente o XBOX hehehe

:yum"ps4 tambem pode"
 
  • Curtir
Reações: ronabs

Cap Holandes

Jogador
2,222
1,824
MT
Como você está falando de paternidade, eu diria que seu primeiro foco deve ser a proteção da criança, em segundo lugar, você pensa na menina. Ou seja, primeiro estude as ferramentas de controle parental que estarão ao seu alcance quando ela começar a ter contato com os jogos; isso vai desde os limites de acesso a conteúdo, mas também os limites de comunicação. Por exemplo, é possível bloquear as mensagens que vem de perfis que não são amigos da criança. Essa última medida acaba ajudando em alguns casos de abusos mais frequentes com as garotas também.
Eu não tenho filha, mas num primeiro momento, no contexto de 2019, eu escolheria para ela uma identificação "neutra", digamos assim. Pode ser útil em uma etapa mais jovem dela, antes de entender melhor como funciona o sistema machista. Mas isso está longe de ser uma solução, ela pode E DEVE, se assim quiser, se mostrar como uma personagem feminina em um jogo qualquer. Um dos primeiros em que isso deve ocorrer será o Roblox, sucesso com a criançada. As crianças adoram montar seus personagens, com as roupas e cabelos que conseguem desbloquear (normalmente, comprando ).

Uma abordagem que eu teria seria a de explicar, quando chegar a hora de experimentar as exposições online, que existem pessoas tristes no mundo, pessoas que tem um problema em sua cabeça que os fazem dizer coisas cruéis e injustas. O problema está no agressor, e não na vítima. Ela poderá se chocar com algo que ela venha a ouvir, mas nunca, jamais ela poderá achar que o lugar dela não é ali; pois se as pessoas de bem se retiram do ambiente, o ambiente fica cada vez pior. Desistir de uma partida, sim, mas desistir de um jogo por causa de um moleque mal educado, não. Ela deve aprender as ferramentas de bloqueio de comunicação, os famosos mute e block.

Se por um lado eu não creio que esse tipo de problema vá acabar, eu tenho convicção de que as coisas serão proporcionalmente melhores no futuro. A prova é o seu tipo de preocupação agora, que é cada vez mais frequente entre as pessoas. E vejo um movimento cada vez mais sólido das empresas em fincar o pé e tentar manter seus espaços comunitários mais abertos e amigáveis. E acho que esse movimento não tem volta, pois é do interesse da indústria aumentar cada vez mais a base de utilizadores, e pra isso é importante que o ambiente dos jogos online seja associado muito mais a um parque de diversões do que a uma boca de fumo.
Nossa @Saci muito bom, essa parte de controle do xbox é muito bom mesmo, eu varias vezes verifiquei algumas opções, mas como não era de meu interesse no momento acabei por nem verificar todas minunciosamente.

Uma coisa que tenho dúvidas é ao sistema de "rank" comportamental da GT'S, referente aos reports e tal, sei que tem os dois lados da moeda, eu mesmo posso sofrer injustiça por reports infundados só de birra de player que não sabe perder, mas lembro que estavam revisando o sistema, mas nunca vi se foi melhorado ou não, parece que o assunto morreu.
 

Saci

Heimdall dos Pampas
Moderador
9,985
12,797
Uma coisa que tenho dúvidas é ao sistema de "rank" comportamental da GT'S, referente aos reports e tal, sei que tem os dois lados da moeda, eu mesmo posso sofrer injustiça por reports infundados só de birra de player que não sabe perder, mas lembro que estavam revisando o sistema, mas nunca vi se foi melhorado ou não, parece que o assunto morreu.
As ferramentas de obtenção de dados sobre o que realmente aconteceu estão ficando a cada dia mais sofisticadas. Talvez os erros estejam diminuindo, pois há mais recursos para avaliar se o report é procedente.
 
  • Curtir
Reações: Cap Holandes

dezenove

Viciado
1,273
1,006
Se por um lado eu não creio que esse tipo de problema vá acabar, eu tenho convicção de que as coisas serão proporcionalmente melhores no futuro. A prova é o seu tipo de preocupação agora, que é cada vez mais frequente entre as pessoas. E vejo um movimento cada vez mais sólido das empresas em fincar o pé e tentar manter seus espaços comunitários mais abertos e amigáveis. E acho que esse movimento não tem volta, pois é do interesse da indústria aumentar cada vez mais a base de utilizadores, e pra isso é importante que o ambiente dos jogos online seja associado muito mais a um parque de diversões do que a uma boca de fumo.
Concordo também nessa parte de que no futuro esse cenário tenha grande chance de ser melhor. Pois muitos dos pais dessas crianças que tem esse tipo de comportamento, nunca teve um contato com videogame, pelo menos não nesse sentido de jogatina online, então eles não sabem o que se passa nesse mundo, deixando de orientar ou até mesmo educar seus filhos nessa área. Agora esses filhos, vão crescer, vão lembrar como é esse ambiente, pois apesar deles xingarem, eles também são xingados, e por conta disso vão ter o mesmo pensando que o @Cap Holandes, vão querer proteger seus filhos ou orientar eles, tornando cada geração um pouco melhor.
Pelo menos tenho essa esperança.
 
Última edição: