Obsidian não sabe o futuro de Pillars Of Eternity

Creis92

Viciado
3,244
2,907
Pernambuco
cfrolik perguntou:

Haverá um pillars 3?
Josh Sawyer(designer e diretor do jogo):

Isso não é algo que eu decido, mas acho que as vendas relativamente baixas do Deadfire significam que, se considerarmos fazer outro jogo de Pillars nesse estilo, teremos que reexaminar todo o formato do jogo.

É difícil saber exatamente por que uma sequela vende pior que seu antecessor, se ambos os jogos se saíram relativamente bem nas análises. É porque o primeiro jogo satisfez a necessidade existente e o público simplesmente não estava interessado no segundo? É porque a conscientização foi menor para a sequência? É porque, apesar das boas críticase e das vendas fortes do primeiro jogo, as pessoas não gostaram ainda sim? Talvez seja uma combinação de todas essas coisas.

O problema é que, sem realmente entender o (s) motivo (s), é difícil saber como avançar. Seria mais fácil, de certa forma, se o Deadfire também fosse uma falha crítica colossal e pudéssemos apontar as grandes falhas que precisávamos resolver. Os jogadores criticaram a baixa dificuldade no lançamento e a trama principal, que eu acho justas e razoáveis, mas esses problemas por si só não explicam realmente a diferença nas vendas. E enquanto as avaliações dos jogadores eram mais fracas para o Deadfire do que para os Pilares 1, as críticas profissionais tendiam a dizer que o Deadfire foi uma melhoria em relação ao primeiro jogo na maioria das áreas.

(Sim, o Deadfire possui 88 no Metacritic e o Pillars 1 tem 89 de Metacritic, mas as pontuações de reviews dos Pillars 1 se beneficiam de uma colisão de nostalgia.)

Os jogadores que odeiam o combate em tempo real dirão que é porque o Deadfire continuou usando o combate em tempo real, em contraste com o Divinity: OS2 qur é baseado em turnos, fenomenalmente mais vendido (e melhor avaliado). Mesmo se isso for verdade, o Pathfinder: Kingmaker, que geralmente teve notas mais baixas que Deadfire, vendeu melhor que Deadfire e teve combate em tempo real.

Tenho certeza de que algumas das pessoas que lêem isso sabem exatamente porque o Deadfire vendeu pior que os Pillars 1. Não tenho essa confiança, que é uma das várias razões pelas quais desconfio, de tentar dirigir uma sequência. Eu não poderia dar ao nosso público (da Obsidian) o jogo que eles querem e, sem entender onde eu errei, estaria imaginando quais são os problemas e como solucioná-los.
Fonte:
 

Saci

Heimdall dos Pampas
Moderador
10,737
14,128
Espero poder jogar o 2 pelo Game Pass.
Mas de certa forma, acho reveladora essa postura do Josh Sawyer, veja que não tem essa de "ah, a MS vai pagar então dane-se se o pessoal vai jogar ou não". Os caras querem fazer jogos que as pessoas vão curtir, e estão prestando atenção quanto ao feedback.
 

John Doe

Novato
1,230
1,177
Santa Cruz do Sul
Como nunca joguei o 1 e 2, e também nem teria tempo para isto atualmente, torço para que apostem em uma nova IP.

Mas de certa forma, acho reveladora essa postura do Josh Sawyer, veja que não tem essa de "ah, a MS vai pagar então dane-se se o pessoal vai jogar ou não". Os caras querem fazer jogos que as pessoas vão curtir, e estão prestando atenção quanto ao feedback.
Também é revelador o fato da MS não ter bloqueado de vez a possibilidade de um Pillars 3, visto que não seria uma estratégia muito boa para atrair público novo para o GamePass.
 

Saci

Heimdall dos Pampas
Moderador
10,737
14,128
Também é revelador o fato da MS não ter bloqueado de vez a possibilidade de um Pillars 3,
Acho que seria um péssimo começo de relação começar bloqueando algo que o estúdio queira fazer (não que seja o caso de Pillars 3, mas digamos que fosse). "Então, lembra aquele papo da gente adquirir vocês pelo que vocês são, e não pra gente impor o que vocês devem fazer ? RÁ!!! Pegadinha do Mallandro! A gente fez uma pesquisa de opinião aqui e decidimos que o melhor é vocês produzirem um jogo que nem esse aqui, ó..."

Eu confio neles.
 
  • Curtir
Reações: John Doe

John Doe

Novato
1,230
1,177
Santa Cruz do Sul
Acho que seria um péssimo começo de relação começar bloqueando algo que o estúdio queira fazer (não que seja o caso de Pillars 3, mas digamos que fosse). "Então, lembra aquele papo da gente adquirir vocês pelo que vocês são, e não pra gente impor o que vocês devem fazer ? RÁ!!! Pegadinha do Mallandro! A gente fez uma pesquisa de opinião aqui e decidimos que o melhor é vocês produzirem um jogo que nem esse aqui, ó..."

Eu confio neles.
Pois é, discurso vindo do alto escalão da MS a gente nunca bota muita fé. Esse comentário do Josh Sawyer meio que confirma que a MS esta sim deixando os estúdios livres para tocar qualquer projeto, mesmo que não seja uma boa escolha para MS (pensando no lado financeiro). Neste sentido que falei ser "revelador", pois até então nunca acreditei plenamente na possibilidade dos estúdios realmente serem livres. Ainda tenho minhas dúvidas, mas estou mais confiante a cada dia.
 

Saci

Heimdall dos Pampas
Moderador
10,737
14,128
Neste sentido que falei ser "revelador", pois até então nunca acreditei plenamente na possibilidade dos estúdios realmente serem livres. Ainda tenho minhas dúvidas, mas estou mais confiante a cada dia.
Então, aproveitando o seu gancho, acho legal comentar sobre isso.

Por que a gente não deve achar que a MS vai sair comprando estúdios por aí "a la loca"? Porque essa liberdade é perigosa, tem que haver muita confiança pra ganhar isso. Tem que estudar muito bem o perfil do estúdio.
Não é como se os estúdios não precisem dar satisfação. O Matt Booty falou sobre isso, existe de certa forma o "pitch" do projeto, só que é uma coisa muito mais fácil do que bater numa Publisher qualquer pra pedir aprovação, pois normalmente eles tem um checklist de features que o jogo precisa ter. Com a MS é 90% de aprovação, num primeiro momento, mas ninguém tem cheque em branco. Os gastos tem aprovação, as coisas tem que rolar dentro de um bom senso. E a turma do Xbox primeiro avalia se o estúdio costuma ter esse bom senso, se o que eles pretendem fazer no futuro próximo é algo que faça sentido na estratégia da MS. Só daí o negócio vai pra frente.
 
Última edição: